MPF defende legalidade de busca e apreensão no Opportunity 

 

MPF defende legalidade de busca e apreensão no Opportunity Jornal GGN – Na última terça-feira (9), o Ministério Público Federal afirmou que a medida de busca e apreensão realizada na sede do Banco Opportunity, em outubro de 2004, por ocasião das investigações Satiagraha e Chacal, não feriu nenhum princípio legal. A subprocuradora geral da República, Deborah Duprat disse que a diligência que conseguiu a cópia dos discos rígidos que ajudaram a incriminar Daniel Dantas foi feita de forma válida. No habeas corpus, a defesa de Dantas diz que o procedimento extrapolou os limites do mandado expedido. MPF defende no Supremo a legalidade de busca e apreensão no Banco Opportunity

MPF defende legalidade de busca e apreensão no Opportunity
Jornal GGN – Na última terça-feira (9), o Ministério Público Federal afirmou que a medida de busca e apreensão realizada na sede do Banco Opportunity, em outubro de 2004, por ocasião das investigações Satiagraha e Chacal, não feriu nenhum princípio legal. A subprocuradora geral da República, Deborah Duprat disse que a diligência que conseguiu a cópia dos discos rígidos que ajudaram a incriminar Daniel Dantas foi feita de forma válida. No habeas corpus, a defesa de Dantas diz que o procedimento extrapolou os limites do mandado expedido.
MPF defende no Supremo a legalidade de busca e apreensão no Banco Opportunity

Jornal GGN – Na última terça-feira (9), o Ministério Público Federal afirmou que a medida de busca e apreensão realizada na sede do Banco Opportunity, em outubro de 2004, por ocasião das investigações Satiagraha e Chacal, não feriu nenhum princípio legal. A subprocuradora geral da República, Deborah Duprat disse que a diligência que conseguiu a cópia dos discos rígidos que ajudaram a incriminar Daniel Dantas foi feita de forma válida. No habeas corpus, a defesa de Dantas diz que o procedimento extrapolou os limites do mandado expedido.

MPF defende no Supremo a legalidade de busca e apreensão no Banco Opportunity

Do Ministério Público Federal

Manifestação ocorreu durante julgamento de HC impetrado pela defesa do empresário Daniel Dantas

O Ministério Público Federal (MPF) defendeu a legalidade da medida de busca e apreensão realizada na sede do Banco Opportunity, em outubro de 2004, relacionada às investigações conhecidas como Satiagraha e Chacal. A manifestação ocorreu nessa terça-feira, 9 de dezembro, durante julgamento pela Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) do Habeas Corpus (HC) 106566, impetrado pela defesa do empresário Daniel Valente Dantas. O julgamento foi suspenso em razão do pedido de vista formulado pela ministra Cármen Lúcia.

Presente à sessão, a subprocuradora-geral da República Deborah Duprat reafirmou a validade da diligência executada na instituição financeira, em outubro de 2004, que resultou na cópia de discos rígidos, conhecidos por HDs. No habeas corpus, a defesa de Dantas argumenta que o procedimento extrapolou os limites do mandado expedido, alcançando as dependências de uma instituição alheia às investigações e cujo endereço não foi abrangido pela decisão judicial. O destino inicial da operação era o escritório do empresário, localizado no mesmo edifício do Banco Opportunity, no centro do Rio de Janeiro.

Em parecer apresentado à Corte Superior, o Ministério Público Federal (MPF) observa que a medida autorizada por juiz substituto da 5ª Vara Federal Criminal de São Paulo, embora não se referisse ao exato local onde o HD poderia ser apreendido, fez expressa menção ao equipamento que deveria ser objeto da busca.

Também no documento, o MPF sustenta que o magistrado ampliou a autorização da busca e apreensão com base em pedido de autoridade policial, que informou sobre a possibilidade de armazenamento de dados relativos a Dantas em computador do Banco Opportunity. Ainda conforme o Ministério Público, o juiz federal ordenou sigilo das informações obtidas, bem como devolução à instituição financeira dos elementos relacionados a terceiros. “Os requisitos legais foram atendidos e, de fato, existiam fundados indícios de provas alusivas à apuração em curso”, acrescenta.

A análise da matéria via habeas corpus foi outro ponto contestado pelo Ministério Público, que lembrou a finalidade do instrumento para proteger a liberdade de locomoção do indivíduo, não se aplicando a este caso.

Relator – Único a votar na sessão, o relator do HC, ministro Gilmar Mendes, opinou pela concessão da ordem para que as provas sejam retiradas do processo. Mendes justificou que a investigação desrespeitou a regra constitucional da inviolabilidade do domicílio – assim considerados os ambientes doméstico e profissionais – e que o mandado de busca e apreensão deve ser precisamente fundamentado.

Histórico – Em 2009, o Ministério Público Federal em São Paulo (MPF/SP) denunciou à 6ª Vara Federal Criminal o banqueiro Daniel Dantas, controlador do grupo Opportunity, pelos supostos crimes de lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta de instituição financeira, evasão de divisas e formação de quadrilha.

Veja aqui o andamento processual do HC 106566:>>http://www.stf.jus.br/portal/processo/verProcessoAndamento.asp?numero=106566&classe=HC&origem=AP&recurso=0&tipoJulgamento=M

FONTE: http://jornalggn.com.br/noticia/mpf-defende-legalidade-de-busca-e-apreensao-no-opportunity

About the author: Protógenes Queiroz

Advogado (desde 1984) Procurador-Geral Municipal- SG/RJ (1989/1992) Delegado de Polícia Federal (1998/2015) Deputado Federal ( 2011/2015) Professor Universitário (desde 1988)

3 Respostas para MPF defende legalidade de busca e apreensão no Opportunity

  1. Antonio Cândido Carneiro da Cunha

    Parabéns!
    Quem sabe agora demos a largada, de novo, para dez anos depois termos os fatos claros como a luz, eclipsado pela justiça sem brilho.

     
  2. Maria Honória da Cunha

    Ontem não assisti nem li jornal algum,por estar fazendo visita a parentes na Capital São Paulo.Hoje fui me atua-lizar nas notícias e fiquei estarrecida com a condenação do Delegado Protógenes.Decepcionada foi pouco, por constatar que no Brasil, banqueiro é intocável, não é investigado, não é denunciado e goza de um prestígio insofismável com o judiciário brasileiro.Não é o primeiro safado que sai ileso e quem prestou atenção e seguiu essa rica trajetória pode constatar que banco dar prejuízo no Brasil é corriqueiro e normal desde a Caderneta Delfin,Banespa, Banestado,Nacional, Mercantil,etc …etc….Esse do Daniel Dantas é mais um.Agora quero ver se tem macho para reabrir esse caso e provar que o Delegado Deputado está com a razão,isto é…. ainda existe isso?

     
  3. Ricardo C de Rezende

    É repugnante constatar, mas esse país tem dono, e com certeza não é o povo e muito menos aqueles que o constroem.

     

Adicionar um comentário


Últimas Notícias

Dep. Federal Cabo Daciolo denuncia fraude nas urnas eletrônicas.

FRAUDE NAS URNAS ELETRÔNICAS ANISTIA AO DELEGADO DA POLÍCIA FEDERAL, PROTÓGENES QUEIROZ. “…Não há nada escondido que não venha ...

Manifestação em apoio a Protógenes Queiroz

Manifestação em apoio a Protógenes Queiroz Dia: 17/02/2018 às 09h. Local: Viaduto do Chá, São Paulo – SP. Juntos ...

Grupo usa o carnaval para pedir a volta de Protogenes

Admirado por sua trajetória no combate ao crime organizado, o ex-delegado federal Protogenes Queiroz se transformou no ícone de ...

Facebook
Twitter